ÉRAMOS SEIS - MARIA JOSÉ DUPRÉ

"A história de Dona Lola e sua família, uma bondosa e batalhadora mulher que faz de tudo pela felicidade do marido, Júlio, e dos quatro filhos: Carlos, Alfredo, Julinho e Maria Isabel. A vida de Dona Lola é narrada desde a infância das crianças, quando Júlio trabalha para pagar as prestações da casa onde moram, passando pela chegada dos filhos à fase adulta e de Dona Lola à velhice. Conforme os anos passam, vão se modificando as coisas na vida de Dona Lola: a morte de Júlio; o sumiço de Alfredo pelo mundo; a união de Isabel com Felício, um homem separado; a ascensão de Julinho, que se casa com uma moça de família rica. O título do livro vem da situação de Dona Lola ao fim da vida, sozinha num asilo: eram seis, agora só resta ela. Também são expostos no livro outras personagens, como os familiares de Lola: na cidade de Itapetininga, interior paulista, moram a mãe, Dona Maria; a tia Candoca; as irmãs Clotilde, solteira, e Olga, casada com Zeca, seu cunhado; na cidade, vive a rica tia Emília, irmã de seu pai; e a filha dela, Justina."


Informações Gerais:
Ano: 1982
Páginas: 192
Editora: Ática
Compre: aqui.
Minha nota: 


   Este livro pertence à série Vagalume, é um exemplar velho e de páginas amareladas que a minha mãe guardou. Um livro bem bacana que eu descobri a pouco tempo que também tem uma telenovela baseada nessa história e que é bem fidedigna ao livro. Uma telenovela, que por sinal, fez muito sucesso, porque há alguns dias comentei nas redes sociais que estava assistindo aos capítulos e um grande pessoal me disse que também assistiu e que tinha saudades. No entanto, poucos leram o livro. Essa série conta com um material didático.

   Conta-se a história triste e sofrida da Família Lemos. Uma família de classe média típica, em meados de 1920, que saiu de Itapetininga para morar na capital de São Paulo. Moravam na Avenida Angélica, onde haviam ainda poucas casas e de onde viram crescer uma cidade inteira, com suas ruas, lojas e bondes. A casa pertence a Caixa Econômica Federal, a quem todos os meses, eles deviam pagar, a fim de tê-la em seu poder. Seu Júlio era gerente na loja de tecidos do Turco. Dona Lola, dona de casa e mãe de quatro filhos, complementava a renda da casa com encomendas de tricô. Ela tinha ajuda da criada Durvalina.

   Todo o enredo é contado por Dona Lola, por isso vemos tudo pela visão de uma mãe preocupada com o lar, os filhos, as mentiras e traições do marido, as discussões e as bagunças dos filhos. Chega a causar tristeza lembrar como as mulheres daquela época sofriam com o medo de desrespeitar uma ordem de seus maridos, medo do divórcio e do segundo casamento, medo de ficarem solteiras e desamparadas pelas leis. É triste acompanhar momentos difíceis para a família também como: falta de dinheiro para comprar roupas novas, comida, um presente de aniversário ou para pagar a prestação da casa.

   Não pense que por ser um romance de vida cotidiana seja monótono. Pelo contrário, assim como acontecem em nossas vidas, passamos por coisas diferentes todos os dias, sejam eles alegres ou tristes, ou que tenhamos quedas e superações. E essa é apenas mais uma história para contar isso. Além de reforçar pra nós a importância da família e da religião. Ouvi dizer, mas não posso afirmar com certeza, que trata-se de uma história real. Então divirta-se e emocione-se com mais este livro. 



Até a próxima, boas leituras!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS 17 MELHORES SUSPENSES DE TODOS OS TEMPOS

VOCÊ CONHECE: BERNARDO PELLEGRINI? [3/4]

DIÁRIO DE LEITURA - A GUERRA DOS TRONOS #1